U.S. appeals court revives Libor-rigging claims against banks



By Jonathan Stempel

NEW YORK, Dec 30 (Reuters) - A U.S. appeals court on Thursday revived litigation accusing a slew of large banks of conspiring to rig the Libor interest rate benchmark, including during the 2008 financial crisis, to boost profits at investors' expense and make the banks appear healthier than they were.

The 2nd U.S. Circuit Court of Appeals in Manhattan said a lower court judge had jurisdiction over antitrust claims by investors including Charles Schwab Corp SCHW.N that bought various Libor-based products from the banks, or bought Libor-based futures on the Chicago Mercantile Exchange.

Without ruling on the merits, Circuit Judge Richard Sullivan said accusations that bank executives and managers in the United States were ordering the suppression of Libor provided jurisdiction under a conspiracy-based theory of liability.

The appeals court adopted that theory after U.S. District Judge Naomi Reice Buchwald in Manhattan had dismissed investor claims in 23 separate cases from the decade-old litigation.

Thursday's 43-page decision by a three-judge panel revived many of those claims, and the appeals court returned those cases to Buchwald for further proceedings.

The defendant banks sat on a panel involved in setting Libor.

They included Bank of America, Bank of Tokyo-Mitsubishi UFJ, Barclays, Citigroup, Credit Suisse, Deutsche Bank, HSBC, JPMorgan Chase, Lloyds Banking Group, NatWest, Norinchukin Bank, Rabobank, Royal Bank of Canada, Societe Generale, UBS and WestLB.

Lawyers representing the banks and the investors at the oral arguments, which were held in May 2019, did not immediately respond to requests for comment.

Libor, or the London Interbank Offered Rate, has underpinned hundreds of trillions of dollars of transactions, including $265 trillion at the start of 2021.

It has been used to set interest rates on such things as credit cards, student loans and mortgages.

The benchmark is being scrapped Link on Jan. 1, 2022 in the wake of rate-rigging that led to fines for several banks.

It will be replaced by alternative rates, preferably those recommended by several banks and based on actual transactions.

The case is In re Libor-Based Financial Instruments Antitrust Litigation, 2nd U.S. Circuit Court of Appeals, Nos. 17-1569, 17-1915, 17-1989, 17-2056, 17-2343, 17-2347, 17-2351, 17-2352, 17-2360, 17-2376, 17-2381, 17-2383 and 17-2413.
Reporting by Jonathan Stempel in New York; editing by Richard Pullin

Isenção de Responsabilidade: As entidades do XM Group proporcionam serviço de apenas-execução e acesso à nossa plataforma online de negociação, permitindo a visualização e/ou uso do conteúdo disponível no website ou através deste, o que não se destina a alterar ou a expandir o supracitado. Tal acesso e uso estão sempre sujeitos a: (i) Termos e Condições; (ii) Avisos de Risco; e (iii) Termos de Responsabilidade. Este, é desta forma, fornecido como informação generalizada. Particularmente, por favor esteja ciente que os conteúdos da nossa plataforma online de negociação não constituem solicitação ou oferta para iniciar qualquer transação nos mercados financeiros. Negociar em qualquer mercado financeiro envolve um nível de risco significativo de perda do capital.

Todo o material publicado na nossa plataforma de negociação online tem apenas objetivos educacionais/informativos e não contém — e não deve ser considerado conter — conselhos e recomendações financeiras, de negociação ou fiscalidade de investimentos, registo de preços de negociação, oferta e solicitação de transação em qualquer instrumento financeiro ou promoção financeira não solicitada direcionadas a si.

Qual conteúdo obtido por uma terceira parte, assim como o conteúdo preparado pela XM, tais como, opiniões, pesquisa, análises, preços, outra informação ou links para websites de terceiras partes contidos neste website são prestados "no estado em que se encontram", como um comentário de mercado generalizado e não constitui conselho de investimento. Na medida em que qualquer conteúdo é construído como pesquisa de investimento, deve considerar e aceitar que este não tem como objetivo e nem foi preparado de acordo com os requisitos legais concebidos para promover a independência da pesquisa de investimento, desta forma, deve ser considerado material de marketing sob as leis e regulações relevantes. Por favor, certifique-se que leu e compreendeu a nossa Notificação sobre Pesquisa de Investimento não-independente e o Aviso de Risco, relativos à informação supracitada, os quais podem ser acedidos aqui.

Usamos cookies para lhe dar a melhor experiência no nosso website. Ler mais ou alterar as configurações de cookies.

Aviso de risco: O seu capital está em risco. Os produtos alavancados podem não ser adequados para todos. Recomendamos que consulte a nossa Divulgação de Riscos.